sábado, 6 de agosto de 2011

Anjos existem? São Mensageiros de Deus?


Mais um pergunta interessante que surgiu no Grupo “Bíblia, Igreja e Fé – pergunte e responderemos”, que resolvemos publicar em nosso blog.



Pergunta:
Os Anjos existem? São os mensageiros de Deus?

Respostas do grupo:

Antonio Gazato Neto Olá Virginia, você pergunta se os anjos existem e se são mensageiros de Deus? 

Ninguém poderá lhe dar uma resposta que a convença cientificamente, pois não existe nenhuma prova experimental neste sentido. Então, como é que muitos acreditam em anjos? Simplesmente porque afirmar que anjos existem decorre da “verdade de fé”! Só a fé poderá convencer alguém da existência dos anjos. Assim como só a fé nos convence da ressurreição de Jesus. E para quem acredita na existência dos anjos, acredita que eles são realmente mensageiros de Deus. Aliás, o termo “anjo”, em si, quer dizer mensageiro.

Se buscarmos nos convencer da existência destes seres celestiais simplesmente pelos nossos sentidos ou pela nossa razão, jamais iremos admitir que eles existam.

As Escrituras Sagradas são pródigas em falar dos anjos, desde o Gênesis, quando fecham a porta do Paraíso, passando por Abraão, Lot, Agar, Juízes, etc. até a Nova Aliança, em que o Anjo Gabriel anuncia o nascimento de João Batista e de Jesus e nas tentações do deserto servem ao Senhor. Também são Anjos que anunciam a ressurreição de Jesus e a sua segunda vinda.

Para que crê nas Escrituras e na Tradição a existência dos anjos é indiscutível. Seria o mesmo que perguntar se o Espírito Santo existe. Para quem crê, o Espírito Santo não só existe como está em contínua ação sobre a humanidade.

Claro e evidente que respeitando a liberdade individual de cada um, liberdade que nos foi concedida por Deus desde a criação, o Espírito Santo somente age naqueles que se abrem à sua ação e o acolhem em seus corações. Da mesma forma são os anjos do Senhor, que agem em nossas vidas sem que os percebamos. Muitas coisas, muitos testemunhos demonstram que determinadas tragédias são evitadas de formas imprevisíveis e, às vezes, de forma impossível. Não seriam os anjos agindo?

De forma, minha cara, que se a sua pergunta é dirigida a quem tem fé, a resposta será sempre positiva. Sim, os anjos existem e, além de mensageiros de Deus, são guardiões dos seres humanos.
No entanto, se a pergunta for dirigida a um cético, a resposta será certamente negativa, pois para estes, tudo depende do acaso. O mesmo acaso que, para eles, criou o universo com tanta beleza e perfeição.

Para nós, crentes, não existe nenhum acaso, mas sim a “mão” poderosa de Deus criando e dando vida a tudo quanto existe.

Rachel L. Abdalla Virgínia, venho complementar o que o Gazato acima respondeu. Segundo o Catecismo da Igreja Católica (328) 'a existência dos seres espirituais, não-corporais, que Sagrada Escritura chama habitualmente de anjos, é uma verdade de fé.'

E, (330) 'Como criaturas puramente espirituais, são dotados de inteligência e de vontade: são criaturas pessoais e imortais. Superam em perfeição todas as criaturas visíveis.

Rachel L. Abdalla Segundo Santo Agostinho: Anjo (mensageiro) é designação de encargo, não de natureza. “Se perguntares pela designação da natureza, é um espírito; se perguntares pelo encargo, é um anjo: é espírito por aquilo que é, é anjo por aquilo que faz". Por todo o seu ser, os anjos são servidores e mensageiros de Deus. Porque contemplam "constantemente a face de meu Pai que está nos céus" (Mateus 18,10), são "poderosos executores de sua palavra, obedientes ao som de sua palavra" (Salmo 103,20).

Antonio Gazato Neto Rachel, você faz uma colocação sobre a imortalidade dos anjos, ao mesmo tempo em que diz serem "criaturas pessoais". Isto me sugere fazer um acréscimo a partir dos ensinamentos de São Tomás de Aquino, para quem os anjos não são eternos, pois que foram criados do nada em determinado momento por Deus (não foram criados da essência de Deus e , portanto, não são divindades outras niveladas à própria natureza divina). São Tomás os denomina de "eviternos", pois embora criados, são partícipes da eternidade, por serem imortais. Dizendo de outra forma, nasceram em determinado momento, o que lhes retira o qualificativo de eterno, pois não existiram desde sempre, mas não deixarão de existir no futuro, ou seja, serão eternos depois de serem criados. A isso o Santo denomina de "eviterno".

Diz ainda o Santo que os anjos são seres que estabelecem a relação entre o mundo sobrenatural e o natural, sobretudo com respeito à salvação humana em Cristo. E de fato, são "criaturas pessoais espirituais".

Virginia Faelli Holtmann Eu Os tenho acolhidos em meu coração e acredito sim que os Anjos agem em nossas vidas e são nossos guardiões. Tirando um pouco a fantasia e o exagero, o que deve permanecer como verdade de fé é que existem espíritos criados por Deus para o seu serviço junto aos homens, e esses espíritos nós os chamamos de Anjos ou Mensageiros de Deus. Muito obrigada pelas palavras de vocês.

Rachel L. Abdalla Oi Virgínia, muito bom acreditar que os anjos estão a nos guardar, porque nossa fé assim nos sustenta no dia a dia, sob uma proteção divina.

Rachel L. Abdalla Complementando essa proteção seguem algumas passagens de proteção dos anjos na vida de Jesus também:

'Desde a Encarnação até a Ascensão, a vida do Verbo Encarnado (Jesus) é cercada da adoração e do serviço dos anjos.' (Catecismo da Igreja Católica 333)

Rachel L. Abdalla Quando Deus “introduziu o Primogênito no mundo, disse: 'Adorem-no todos os anjos de Deus' (Hebreus 1,6).

Rachel L. Abdalla O canto de louvor deles ao nascimento de Cristo não cessou de ressoar no louvor da Igreja: "Glória a Deus..." (Lucas 2,14)

Rachel L. Abdalla Os anjos protegem a infância de Jesus: A origem de Jesus, o Messias, foi assim: Maria, sua Mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viverem juntos, Ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. José, seu marido, era justo. Não queria denunciar Maria e pensava em deixá-la, sem ninguém saber. Enquanto José pensava nisso, o Anjo do Senhor apareceu-lhe em sonho e disse: «José, filho de David, não tenhas medo de receber Maria como esposa, porque Ela concebeu pela ação do Espírito Santo. Ela dará à luz um Filho, ao qual darás o nome de Jesus, pois Ele vai salvar o seu povo dos seus pecados. Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: ‘ Vede, a Virgem conceberá e dará à luz um Filho. Ele será chamado Emanuel, que quer dizer: Deus está conosco’. Quando acordou, José fez conforme o Anjo do Senhor havia mandado: levou Maria para casa e, sem ter relações com Ela, Maria deu à luz um Filho. E José deu-Lhe o nome de Jesus.

Rachel L. Abdalla São ainda os anjos que "evangelizam", anunciando a Boa Nova da Encarnação: "Havia nos arredores uns pastores, que vigiavam e guardavam seu rebanho nos campos durante as vigílias da noite. Um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu ao redor deles, e tiveram grande temor. O anjo disse-lhes: Não temais, eis que vos anuncio uma boa nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor. (Lucas 2,8-11)

Rachel L. Abdalla E na Ressurreição de Cristo eles também se fazem presentes: “É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos assustaram. Elas foram de madrugada ao túmulo e não encontraram o corpo de Jesus. Então voltaram, dizendo que tinham visto anjos, e estes afirmaram que Jesus está vivo”. (Lucas 24,22-23) 

E, “Maria tinha ficado fora, a chorar junto ao túmulo. Enquanto ainda chorava, inclinou-se e olhou para dentro do túmulo. Viu então dois anjos vestidos de branco, sentados onde o corpo de Jesus tinha sido colocado, um à cabeceira e outro aos pés”. (João 20,12)

Rachel L. Abdalla E segundo o Evangelho, estarão presentes no retorno de Cristo: “Eu vos garanto: vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem”. (João 1,51)

Márcia Resck A existência dos seres espirituais, não corporais, que a Sagrada Escritura chama habitualmente de anjos, é uma verdade de fé. Trata-se de um mensageiro investido por Deus com determinada missão e plenos poderes, de modo que é o próprio Deus quem intervém por meio do seu emissário. São mensageiros e servidores de Deus porque contemplam “constantemente a face de meu Pai que está nos céus” (MT 18,10), são “poderosos executores de sua palavra, obedientes ao som da sua palavra” (Sl 103,20).

São presenças espirituais que iluminam nossa própria inteligência.

Pode-se dizer ainda que entre o mundo humano e o plano puramente espiritual, puramente silencioso, existem planos intermediários que podem ser chamados angelicais. Como um modo de presença, por exemplo, um “querubim” é uma qualidade de inocência, por isso serve à figura de crianças para representá-lo. É uma qualidade de inocência e visão. “Vê se o que é”, com inocência. Uma presença de clareza, de inocência, de simplicidade.

Outra qualidade de presença são os “serafins” presença que nos visita, sobretudo, no nível do coração. No coração, existe a presença de uma ardência, de uma compaixão, de um amor infinito por todos os seres

Existe a presença de “Miguel”, é o senhor dos anjos. Ele é o arcanjo da fé, da proteção e da libertação do mal, presta inestimáveis serviços à humanidade, mantendo a iluminação e a força da fé. Ouve às súplicas de dores e sofrimentos, atende todos que o invocam.

Também a presença de “Gabriel”, o mensageiro: uma informação nos é comunicada, uma boa-nova nos é anunciada; perguntamo-nos de onde vem tal mensagem, mas compreendemos que somos guiados.

Existe ainda a presença de “Rafael” que significa “Deus Cura”. O ser torna-se presente de maneira curativa, terapêutica. Rafael não é aquele que fornece medicamento, mas o acompanhante de alguém na estrada da vida, permitindo-lhe encontrar seus próprios remédios. Rafael é uma qualidade de presença que nos conduz em direção à cura, uma cura que temos que descobrir por nós mesmos.

Assim, em nossos dias, os anjos estão muito em foco, mas aparecem nos livros mais antigos da Bíblia e desde os primeiros séculos, os cristãos já acreditavam que cada ser humano tem seu anjo da guarda.

Porém, Cristo é o centro do mundo angélico. São os seus anjos: “Quando o Filho do Homem vier na sua glória com todos os seus anjos...” (Mt 25,31). São seus porque criados por e para ele: “Pois foi nele que foram criadas todas as coisas, nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis: Tronos, Dominações, Principados, Potestades; tudo foi criado por Ele e para Ele” (Cl 1,16). São seus mais ainda, porque ele os fez mensageiros do seu projeto de salvação. “Porventura, não são todos eles espíritos servidores, enviados ao serviço dos que devem herdar a salvação?” (Hb 1,14) (CIC 331). Assim, a existência dos anjos é mesmo uma verdade de fé!

REF. BIBLIOGRAFICA
BETTENCOURT, Estevão Tavares, OSB. Católicos Perguntam. São Paulo: O Mensageiro de Santo Antônio, 4ª ed. 1997 p. 95.
CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA. Petrópolis: Vozes, 8ª ed. 1998, p. 87.
LELOUP, Jean-Yves. A arte da atenção – Para viver cada instante em sua plenitude. Campinas: Verus, 2001, p. 61, 62,
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário