domingo, 24 de julho de 2011

Nos passos de Paulo - Um pouco da vida do Grande Evangelizador.

VIDA DE SÃO PAULO
Quem foi São Paulo?


Para conhecermos bem uma pessoa, temos que ter proximidade com ela. Chegarmos de mansinho, cada vez mais perto, ouvir a sua história, suas palavras, tocá-la de perto. Assim, vamos nos aproximar mais do Apóstolo Paulo, ele quer se revelar a nós hoje e tem “um dom espiritual para nos comunicar” (Rm 1,11).

Há três formas de conhecermos Paulo, através dos Atos dos Apóstolos, das suas cartas e por meio da Tradição Cristã.

O próprio apóstolo traça sua biografia

 “Circuncidado ao oitavo dia, da raça de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu, filho de hebreus; quanto à Lei, fariseu; quanto ao zelo, perseguidor da Igreja; quanto à justiça que há na Lei, irrepreensível” ( Fl 3,5).

Através dessa descrição de Paulo, percebemos vários elementos de sua vida, como por exemplo:

· Sua religião
· Qual a sua descendência familiar
· De qual movimento dentro do Judaísmo ele pertencia
· Como era seu comportamento
Onde Paulo nasceu?
Em uma cidade chamada Tarso, que é a capital da Cilícia, situada na Ásia Menor, região que hoje corresponde à Turquia.
• Tarso era uma importante cidade da Ásia Menor, com uma grande universidade e um centro intelectual para aqueles que desejavam estudar.
• Segundo os estudiosos, tinha aproximadamente 300 mil habitantes. Era também uma cidade portuária, com economia próspera e vida urbana agitada. Por Tarso passava a estrada romana que fazia ligação entre o oriente e o ocidente.
Nome
Saulo era o nome de Paulo antes do encontro com Jesus. Os judeus da diáspora costumavam ter dois nomes SAULO (hebraico) e PAULO (grego)
Shaúl = implorado, desejado
Paulo = Pequeno
Saul, o primeiro rei de Israel, era o personagem mais importante da Tribo de Benjamim, a qual a família de Paulo descendia. Certamente, os pais usavam colocar esse nome em seus filhos recordando o grande rei Saul. O mesmo ocorre hoje, como por exemplo, na região do Cariri, no Ceará, muitos pais colocam em seus filhos e filhas o nome Cícero ou Cícera em homenagem ou para pagar promessas ao pe. Cícero Romão.
Após seu encontro com o Cristo e na missão em meio aos gentios o “grande” Saulo, prefere ser chamado apenas de “pequeno”. Os judeus da diáspora eram aqueles que moravam fora da Palestina.
Estudos
Como era tradição de sua época, Paulo deve ter recebido a formação básica como judeu, primeiro, na casa dos pais e, logo após, na sinagoga local de Tarso e na escola ligada a sinagoga.
Segundo estudiosos, se quiséssemos traçar uma cronologia dos estudos de Paulo, seria mais ou menos assim:
Aos 7 anos, Saulo entrou na escola da sinagoga, no bairro judeu de Tarso,onde aprendeu a ler a língua grega;
·         Aos 10 anos, concluiu o curso primário, e aos 11, sabendo ler bem o grego, começou o secundário;
·         Aos 15 anos terminou o ensino secundário;
·         Dos 16 aos 20 anos é provável que Saulo tenha escolhido um mestre da Universidade;
·         Aos 20 anos, Saulo escolheu especializar-se na cultura e religião de seu povo de origem, e foi para Jerusalém e lá tem como seu mestre Gamaliel (cf. At 22,3).
A cidadania
O título que Saulo recebeu ao nascer em Tarso era o de terceira categoria. Havia uma escala de direitos na cidadania romana:
·   Cidadãos plenos eram os que participavam do senado romano ou descendiam de famílias de imperadores ou senadores;
·         Cidadãos patrícios eram de famílias ricas e comandavam os exércitos e as batalhas ou dedicavam-se à vida intelectual e ao magistério;
·       Cidadãos plebeus eram livres, mas haviam sido escravos e depois libertos, ou seus descendentes que, mesmo nascendo livres, herdavam o título romano plebeu e sobreviviam com dificuldade, de um ofício manual.
Os cidadãos romanos plebeus eram desprezados pelas outras duas classes, porque faziam trabalho braçal. Gozavam de poucos privilégios e eram alvos das arbitrariedades dos juízes romanos. Como cidadão de Roma, Paulo gozava de alguns privilégios: não poderia ser flagelado, não podia ser crucificado, podia apelar para o Supremo Tribunal em Roma.
A escolha da profissão
·      Paulo queria tornar-se um intelectual e subir na escala social, por isso escolheu o curso para ser doutor da Lei.
·       Depois do seu encontro com Jesus, porém, Paulo aprendeu a trabalhar o couro, fabricava sandálias, cintos, tendas, bolsas etc.
·         O trabalho com o couro era impuro para os judeus. Paulo, como missionário itinerante opta por ser um “trabalhador que anuncia o Evangelho”, por onde vai, procura um trabalho.
Isso não faz de Paulo um rico comerciante, pelo contrário, Paulo faz a opção de ser escravo, trabalha para os outros. O apóstolo não quer ser pesado para ninguém.
A Religião
Saulo era judeu e freqüentou a escola farisaica. Professava a fé na ação de Deus na história por meio daqueles que fossem fiéis ao seu projeto e procurassem o direito e a justiça.
O que Saulo pensava sobre Jesus?
·         Como fariseu, Saulo considerava Jesus um traidor;
·         Acreditava que Jesus era um falso mestre;
·         Pensava que Jesus tinha recebido a morte que merecia (a cruz);
·         Achava que os seguidores de Jesus tinham sido seduzidos por falsas promessas e deveriam voltar atrás.
O ACONTECIMENTO DE DAMASCO
Encontro com uma pessoa
Algumas Narrativas
• At 9, 1-22 – Narrativa de Lucas.
• At 22, 4-16 – Lucas narra Paulo falando de sua conversão ao povo.
• At 26, 9-18 – Lucas narra Paulo falando de sua conversão ao rei Agripa e demais presentes.
Alguns textos de Paulo em suas cartas que aludem ao fato
• Gl 1, 11-16 – ... Quando, porém, aquele que me separou desde o seio materno e me chamou por sua graça.
• 1 Cor 15, 8-10 – Apareceu também a mim como um abortivo.
• Fl 3, 6-12 – Pois eu também fui alcançado por Cristo Jesus.
A pergunta de Jesus à Saulo
- Saulo, Saulo, porque você me persegue?
- Quem és tu, Senhor?
- Eu sou Jesus, a quem você está perseguindo. (At 9,4-5)
Jesus se identifica com a comunidade perseguida.
A luz de Damasco

Paulo se dirigia para Damasco e lá iria prender e torturar os cristãos, mas, no fundo a inteligência e o amor de Paulo o faziam duvidar... talvez poderia estar dando um passo errado. Sua luta e perplexidade foram tão grandes, que conseguiram derrubá-lo e fazê-lo pensar melhor. E Paulo caiu por terra, vencido por Jesus Cristo.

A luz do Ressuscitado, que envolveu Paulo, colocou em seu coração uma experiência do Mistério. Ele compreendeu que tudo era vazio e inútil sem ele. Depois, ao longo da vida, foi-se configurando sempre mais com Cristo até o ponto de dizer: “Já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim.” (Gl 2,20)

A luz de Damasco foi luz afetiva, que inundou os olhos do coração de Paulo. Ele foi vencido pela luz. A luz é a fonte da missão. A partir de então Paulo tornou discípulo do Mestre Jesus e incansável missionário, anunciador da sua Palavra. “Porém, o que para mim era ganho, por causa de Cristo considerei perda. Mais ainda: considero tudo perda em comparação com o superior conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor.” (Fl 3,7-8)

Após sua conversão Paulo foi para Arábia, depois para Jerusalém encontrar-se com os apóstolos; de lá, retornou para Tarso por onde permaneceu por longos anos até ser chamado por Barnabé para ir à Antioquia da Síria e de lá com Barnabé (cf. At 13,2 ss) é enviado em missão. Durante sua vida, Paulo realiza quatro grandes viagens missionárias, funda comunidades, anima os cristãos, enfrenta muitas dificuldades (cf. 2 Cor 11, 23-28), escreve animando e orientando as comunidades.

Paulo foi martirizado por volta dos anos 64 a 68 em Roma, por ser cidadão Romano, foi decapitado. Segundo a tradição Cristã, quando Paulo foi decapitado, sua cabeça pulou três vezes e nos três lugares onde a cabeça do apóstolo pulou, brotaram fontes.

O túmulo do Apóstolo Paulo está na Basílica de São Paulo Fora dos Muros.

“Combati o bom combate, terminei minha carreira, conservei a fé.” (2Tm 4,7).

PAULO VIVO HOJE



Paulo é presente a cada vez que uma comunidade cristã proclama a Palavra vivida e comunicada por ele.

Somos chamados a atualizar, a reviver a experiência de Paulo hoje: deixar que a comunicação da graça do Espírito transforme nossas vidas, nossas comunidades e nossas ações apostólicas em martírio – testemunho – de Cristo vivo.

Que nosso nome faça parte da comunicação, da Palavra de Deus, na linguagem do presente, para todas as criaturas.

VIAGENS DE SÃO PAULO
A Missão

O termo grego apóstolo significa enviado, representante. Supõe que o enviado tenha os mesmos pensamentos e sentimentos daquele que o enviou e comunique fielmente a mensagem. Isso se aplica bem a Paulo e Barnabé, os primeiros a recebem o envio da comunidade de Antioquia da Síria e saem para a missão.

Primeira Viagem
(Anos 46-48; At 13-14)
Caracteristica: Abertura aos Pagãos


Paulo e Barnabé partem de Antioquia da Síria

Ilha de Chipre

Salamina – Anuncia Jesus na sinagoga depois atravessa a ilha a pé, evangelizando.

Pafos – Adota o nome romano Paulo. Anuncia o Evangelho ao procônsul romano e causa cegueira ao mago Barjesus.

Segue por mar para a Ásia menor.

Panfília

Perge – Marcos regressa da missão e Paulo fica irritado.

A Ásia Menor é atravessada pela Via Imperial Augusta ou Sebaste, que vai do porto marítimo de Éfeso até o porto fluvial de Tarso.

Psídia

Antioquia da Psídia – (Após andar 260 km a pé, pela Via Augusta, atravessando os montes Taurus repletos de salteadores, chegam à cidade.) Evangeliza na sinagoga, é perseguido pelos Judeus e se volta para os gentios.

Licaônia
Icônio – (Continuam a viagem pela Via Augusta, mais 140km) Evangeliza na sinagoga e é perseguido pelos judeus.
A população tenta linchá-lo e foge para Listra.
Listra – (outros 40 km da Via Augusta) Cura um paralítico e não entende o dialeto local. O povo também não entende o grego. É venerado como o deus Mercúrio. Chegam os de Icônio e convencem a população a apedrejá-lo. É arrastado para fora da cidade como morto. Volta a entrar na cidade e parte no dia seguinte.
Derbe – Evangeliza sem perseguição.
Regresso da primeira viagem
Paulo e Barnabé voltam por todas as cidades evangelizadas, “ordenando seniores” nas comunidades.
Tomam um navio no porto de Atália e regressam a Antioquia da Síria, onde relatam a missão para a comunidade.
Concílio de Jerusalém (cap 15)
Os Judaizantes de Jerusalém vão a Antioquia da Síria e defendem a circuncisão dos gentios.
A comunidade envia Paulo e Barnabé a resolverem a questão com os apóstolos.
Em Jerusalém, narram tudo o que fizeram entre os pagãos.
Os apóstolos concordam que os pagãos não precisam converter-se ao judaísmo antes de serem cristãos.
Reenviam os dois a Antioquia da Síria, acompanhados por Silas, trazendo uma carta para a comunidade.
Segunda Viagem
(Anos 49-52; At 15,36-18,23)
Característica: Entrada do Evangelho na Europa


Paulo decide visitar as comunidades fundadas na primeira viagem, mas desentende-se com Barnabé e convida Silas (Silvano) a acompanha-lo.
Visitam as regiões da Síria e da Silícia e voltam às comunidades de Derbe e Listra.
Em Icônio, encontram Timóteo.
Passam por Antioquia da Psídia e por Trôade.
Atravessam o mar Egeu e entram na Europa.
O norte da Macedônia é cortado pela Via Ignátia, que vem de Roma e acaba no mar Negro, após a cidade de Filipos.
Macedônia (Europa)
Filipos - Fundam a comunidade em casa de Lídia. Paulo exorciza uma escrava e é açoitado e preso.
urante a noite a prisão se abre e Paulo e Silas são libertados.
Ao saber que são cidadãos romanos, as autoridades se apavoram e pedem que deixem a cidade.
Seguem viagem e passam por Anfípoles e Apolônia.
Tessalônica - Paulo evangeliza na sinagoga e muitos crêem. É perseguido e sai da cidade.
Beréia - Prega e é bem recebido pelos gregos, mas logo chegam os judeus de Tessalônica e ele parte para Atenas.
Acaia
Atenas - É convidado a falar no Areópago prega o kerigma cristão para os filósofos e é mal recebido.
Corinto – Chega na cidade, vindo de Atenas. Conhece Priscila e Áquila, judeus tendeiros.
Habita com eles durante um ano. Os judeus o acusam ao procônsul galeão, mas não são atendidos.
Regresso da segunda viagem
Sai de Corinto e segue pelo mar Egeu até Éfeso.
Prossegue pelo Mediterrâneo para Cesaréia e de lá, para Antioquia da Síria.
Terceira Viagem
(Anos 49-52; At 15,36-18,23)
Característica: “Os habitantes da Ásia, judeus e gregos puderam ouvir a Palavra do Senhor.”
(At 19,10b)


Paulo parte mais uma vez de Antioquia da Síria e o retorno é pela Cesáreia e Jerusalém.
Acompanhado de Silas, começa a viagem por terra, visitando as comunidades da Galácia e da Frígia.
Jônia
Éfeso - Na comunidade já existente, Paulo encontra Apolo, Judeu convertido.
Impõe as mãos e invoca o Espírito Santo sobre os irmãos. Permanece por dois anos evangelizando na escola de Tirano. Manda queimar livros de magia e é acusado pelos ourives da deusa Artêmis.
Macedônia
Volta a visitar Filipos, Tessalônica e Beréia.
Acaia
Passa três meses, certamente em Corinto.
Macedônia volta e fica um tempo em Filipos, de onde começa o regresso da terceira viagem.
Regresso da terceira viagem
Parte de Filipos pelo mar Egeu, para a Frígia.
Frígia
Trôade - Preside a fração do pão com a comunidade e faz uma longa homilia noite a dentro. Reanima o jovem que havia caído da janela.
Panfília
Mileto - Reúne os líderes das comunidades e se despede. Segue pelo Mediterrâneo para o porto de Tiro.
Síria
Tiro – Permanece por sete dias com a comunidade depois continua viagem por terra rumo a Jerusalém.
Tolemaida – Passa e descansa por um dia na comunidade.
Palestina
Cesaréia – Visita os irmãos. Todos recomendam que não vá a Jerusalém. Decide ir porque está pronto a morrer por Jesus Cristo.
Fim da terceira viagem – chegada a Jerusalém
Permanência em Jerusalém e na prisão de Cesaréia (cap.21-26)
Jerusalém – Ao chegar, procura os apóstolos. Entra no templo, é perseguido e preso. Fala ao povo e conta sua conversão. Os judeus começam a linchá-lo. É recolhido pelos soldados e levado para a fortaleza.
Os romanos o apresentam ao Sinédrio para ser julgado. Mas nada se conclui.
É enviado a Cesaréia, com escolta, por ser cidadão romano.
É julgado pelo procurador Félix.
Permanece na fortaleza com permissão para receber os amigos.
É novamente julgado pelo procurador Festo, diante do rei Agripa.
Para livrar-se das acusações dos judeus, apela a César.
Quarta Viagem
(Anos 52-62; At 15-28,23)
Característica: o testemunho de Paulo chega até os confins do mundo.

É preso sob a guarda do centurião Júlio.

Embarca por mar e o navio costeia a Palestina.

Ao aportar no porto de Sidom, tem permissão de visitar a comunidade.

Volta ao navio e a viagem segue rumo a Chipre.

Lá, embarca no navio alexandrino que vai para a Itália.

Passa pela ilha de Creta.

Segue para a Itália e o navio naufraga na tempestade, perto da ilha de Malta.

Passa o inverno em Malta.

Na primavera, embarca no navio Dióscoro.

Chega ao porto de Pusuoli, na cidade de Óstia, na Itália.

Vai a pé para Roma.

Aluga uma casa, onde habita e recebe judeus e gentios
até ser julgado e condenado e receber o martírio entre os anos de 64 e 68.

http://img2.blogblog.com/img/icon18_edit_allbkg.gif
http://img1.blogblog.com/img/icon18_wrench_allbkg.png
CARTAS PAULINAS

Introdução às Cartas de Paulo

O conjunto das Cartas Paulinas compreende um total de treze Cartas que reivindicam a paternidade do Apóstolo Paulo. A ordem em que se encontram no cânon bíblico não reflete a data em que foram escritas, mas foram organizadas segundo a sua extensão.

Alguns procuram agrupar as Cartas do seguinte modo:

a) Cartas maiores: Romanos,1-2 Coríntios, Gálatas e 1-2 Tessalonicenses.

b) Cartas da prisão: Efésios, Filipenses, Colossenses e Filemon.

c) Cartas pastorais: 1-2 Timóteo e Tito

Outra classificação pode ser feita a partir da possível autoria das mesmas:

a) Cartas Proto-Paulinas: que seguramente são autênticas, isto é, que são de autoria do Apóstolo Paulo, e que são aceitas por todos os estudiosos: Romanos, 1-2 Coríntios, Gálatas, Filipenses, 1 Tessalonicenses e Filemon.

b) Cartas Deutero-Paulinas: são aquelas cuja autenticidade não é segura ou é negada por certo número de estudiosos: Efésios, Colossenses e 2 Tessalonicenses.

c) Cartas Trito-Paulinas: 1-2 Timóteo e Tito. Essas dificilmente seriam do Apóstolo Paulo, pois usam uma linguagem diversa e tratam de problemas que existiam nas comunidades no final do I século.

É certo que algumas Cartas de Paulo foram perdidas. Em 1Cor 5,9 já se fala de uma Primeira Carta aos Coríntios. Em Cl 4,16, Paulo se refere a uma Carta escrita aos cristãos de Laodicéia. E temos ainda a famosa “Cartas em lágrimas” aos Coríntios (2Cor 2,4). Alguns estudiosos afirmam também que a Carta aos Filipenses é um conjunto de vários bilhetes. E também que a 2Cor é um ajuntamento de várias cartas, enviadas em datas diferentes.

Outro aspecto interessante é o de que as cartas não foram escritas do próprio punho do Apóstolo. Ele as ditava (cf. Rm 16,22) e às vezes assinava (cf. Gl 6,11). Talvez a carta a Filemon tenha sido o único escrito com sua própria mão.

Uma constante nas cartas de Paulo é a afirmação que ele faz da sua vocação. Por várias vezes lembra que o seu ser apóstolo de Jesus Cristo é sinal primordial da intervenção divina na sua vida. À missão de evangelizar os gentios ele se dedica por inteiro e busca formas novas, através das cartas, de se fazer presente junto às comunidades fundadas por ele como missionário itinerante. Escrever era a forma de manter viva a fé das comunidades, porque Paulo não podia estar em todas elas ao mesmo tempo. Isso tudo para que o evangelho seja anunciado.

O núcleo da mensagem de Paulo em todas as suas cartas é o Kerigma cristão, ou seja, o anúncio da morte e ressurreição de Jesus. Toda a teologia paulina é gerada a partir do evento da cruz, sinal de escândalo, portanto, de fraqueza, transformado em princípio de salvação e ressurreição. Portanto, para compreender Paulo é importantíssimo considerarmos a crucificação de Jesus, sua morte e ressurreição.

Paulo é um escritor que anuncia o Evangelho, ou melhor, é um missionário que escreve. Ele é poeta e culto, mas para fazer-se compreender usa palavras simples e profundas. Todas as suas cartas são portanto, como que geradas do seu coração. E assim Paulo deixa transparecer em cada palavra que escreve sua paixão por Jesus e pelo seu povo.


Breve comentário das Cartas Paulinas



Romanos

Quando Paulo esteve em Roma?

Provavelmente entre 61 e 62, prisioneiro e deportado para o tribunal do imperador, onde foi martirizado por volta do ano 67.

Onde foi escrita?

Em Corinto (inverno de 55\56).

Como era a comunidade?

Formada de cristãos vindos da Palestina e da Síria, provavelmente expulsos pelo imperador Cláudio, no ano 49.

Qual a finalidade da carta?

Corrigir certas interpretações a respeito da pregação de Paulo entre os pagãos, provavelmente levadas a Roma por judeus e por cristãos judaizantes. O apóstolo expõe de maneira serena e organizada o que já havia exposto em Gl – A gratuidade da salvação vem pela fé – ele opõe o Cristo Justiça de Deus ao Cristo da justiça que os homens pretendiam merecer por seus próprios esforços. Paulo diz que a morte e ressurreição de Jesus operaram a destruição da humanidade antiga, viciada pelo pecado de Adão e a recriação de uma humanidade nova, da qual Jesus Cristo é o protótipo.

* * * * * * * * * * *

1 Coríntios

Quando Paulo esteve em Corinto?

Paulo chega à Corinto em abril de 50, após ter passado por Atenas e lá volta outras vezes.
Onde foi a carta foi escrita?

Provavelmente na Páscoa de 54

Como era a comunidade?

A comunidade situava-se em Corinto, que era uma cidade portuária e grande centro comercial, com população pluralista e composta de cidadãos romanos e escravos. Tinha tendências e religiões romanas, egípcias e gregas. A comunidade foi fundada na casa de Priscila e Áquila, artesãos de couro, com os quais Paulo deve ter trabalhado. Na comunidade havia várias classes sociais, a maioria era gente pobre, sobretudo escravos. Por isso, a comunidade era predisposta para a divisão, sobretudo pela diversidade cultural e econômica, o que causava muita competição.

Qual a finalidade da carta?

Trata de problemas vividos pela comunidade, informações e decisões cruciais para o cristianismo primitivo, tanto em sua vida interior – pureza dos costumes, matrimônio e virgindade, ordem das assembléias e celebração eucarística, uso dos carismas – como também o relacionamento como o mundo pagão – apelo aos tribunais, carnes oferecidas aos ídolos etc. Lembra em que consiste a verdadeira liberdade da vida cristã, a santificação do corpo, a diversidade dos carismas, o primado da caridade, que é o sustentáculo da comunidade, a união a Cristo.

* * * * * * * * * * *

2 Coríntios

Onde a carta foi escrita?

Em Éfeso, por volta de 55.

Qual a finalidade da carta?

Paulo defende o seu apostolado, diante daqueles que queriam afastar a comunidade de Paulo, alegando que ele não era apóstolo e portanto, que sua mensagem não merecia a consideração dos coríntios. Por essa razão, Paulo descreve a grandeza do ministério apostólico e também discorre sobre o tema concreto da coleta para a Igreja de Jerusalém, inspirado pelo ideal de união entre as igrejas.

* * * * * * * * * * *

Gálatas
Quando Paulo esteve na Galácia?

Paulo esteve na Galácia em sua primeira viagem missionária (por volta dos anos 46 a 48), na segunda viagem, na primavera de 52 e talvez outras duas vezes.

Onde a carta foi escrita?

Em Éfeso ou na Macedônia entre 54 e 55.

Como era a comunidade?

A Galácia é uma região da Ásia Menor, e a comunidade lá auxiliou Paulo quando estava enfermo. Por isso, Paulo tinha pelos Gálatas um grande afeto, se sentido pai e mãe daquela comunidade. Mas, correntes judaizantes quiseram ridicularizar e se posicionar contra a pregação de Paulo também na comunidade da Galácia.

Qual a finalidade da carta?

Gálatas representa um grito que parte do coração de Paulo, no qual a apologia pessoal se justapõe à argumentação doutrinal e às advertências que ela faz à comunidade. Paulo demonstra indignação e defende seu apostolado. É uma argumentação vibrante em prol da liberdade cristã e universalidade da Igreja. A carta aos Gálatas é muitas vezes citada na carta aos Romanos.


* * * * * * * * * * *

Filipenses

Quando Paulo esteve em Filipos?

Paulo chega a Filipos durante sua segunda viagem, entre 48 e 49 e lá retorna duas vezes na terceira viagem. Ao chegar à cidade, ele não vai à sinagoga, como era o seu costume, mas fala às mulheres que estavam nas margens do Rio rezando.

Onde a carta foi escrita?

Quando Paulo estava preso em Éfeso (anos 55\57) ou em Roma (anos 61\62).

Como era a comunidade?

Filipos era um importante centro comercial entre o Oriente e o Ocidente, até ser conquistada por Roma em 42 a.C. Uma cidade onde viviam muitos oficiais romanos, de religiões derivadas dos cultos gregos (como a deusa Ísis) e dos cultos romanos (deuses Júpiter, Mercúrio, Minerva e Diana). A comunidade é fundada na casa de Lídia, que ao escutar a pregação de Paulo convida-o e a seus companheiros a se hospedarem na casa dela, se eles a considerassem digna da mensagem que acabaram de anunciar.

Qual a finalidade da carta?

A comunidade de Filipos é considerada a comunidade amada por Paulo, é a única comunidade da qual Paulo aceita receber algum auxílio também material. Por isso, ele escreve para agradecer a ajuda enviada pela comunidade enquanto ele estava preso. Aproveita para advertir contra algumas situações de competição existentes na comunidade e previne contra os pregadores judaizantes ao relembrar que a autenticidade do Evangelho vivido e anunciado pelos cristãos está na cruz de Cristo.

* * * * * * * * * * *

1 Tessalonissenses

Quando Paulo esteve em Tessalônica?

A Tessalônica foi evangelizada na segunda viagem de Paulo, do outono de 49 à primavera de 50. De lá, Paulo saiu fugido para Atenas e Corinto. O apóstolo deve também ter retornado a essa comunidade no verão de 54 e na primavera de 55, após os dissabores de Corinto e Éfeso.

Onde a carta foi escrita?

Em Corinto, durante o verão de 51.

Como era a comunidade?

Tessalônica era um importantíssimo ponto comercial, pois além de estar na rota da via Inácia (Ignatia), tinha um ótimo porto aberto para o mar Egeu. Supõe-se que os membros da comunidade fossem todos provenientes de escravos e da classe de pequenos comerciantes, que mal tinham com o que viver. O próprio ambiente de trabalho freqüentado por Paulo pode ter sido tão pobre quanto o do trabalho escravo. Do ponto de vista da religião havia as divindades romanas e locais.

Qual a finalidade da carta?

Dar instruções sobre a Parusia (acreditavam que haveria uma segunda vinda de Cristo) e enviar boas notícias aos tessalonicenses. É considerada uma carta escatológica, onde Paulo adverte à comunidade a ter calma em ralação à Parusia e ao mesmo tempo ser vigilante. Nesta etapa primitiva do seu apostolado, Paulo encontra-se todo concentrado na Ressurreição de Cristo e na sua vinda na glória, que trará a Salvação aos que tiverem acreditado nele.

A primeira carta deixa entrever que era uma igreja jovem e fervorosa, firme no meio dos sofrimentos. Ela nos diz algo sobre as crenças dos cristãos uns vinte anos depois da ascensão: a Trindade, Deus como Pai, a missão de Jesus Messias, sua morte, ressurreição e futuro retorno, as três virtudes, fé, esperança e caridade.

* * * * * * * * * * *

Filemon

É uma carta à um Cristão de Colossas (Filemon) que era um cristão de boa posição e que tinha um escravo fugido: Onésimo.

Onde a carta foi escrita?

Na prisão de Roma entre 61 e 63

Qual a finalidade da carta?

Expressa o dilema entre o Evangelho levado às últimas conseqüências, de não se tornar somente uma lei, nem insensível aos dilemas humanos. Paulo acredita que o Evangelho pode mudar as relações entre as pessoas, por isso, escreve à Filemon (provavelmente convertido pelo apóstolo) para aceitar novamente Onésimo, que ele havia encontrado na prisão e que, provavelmente havia pedido a intervenção de Paulo e fosse perdoado pelo patrão. Paulo então, pede a Filêmon que aceite Onésimo não mais como escravo, mas como irmão.

* * * * * * * * * * *

Deutero paulinas – Os erros combatidos são posteriores a Paulo e pertencem mais à idéias gnósticas do século II.

Colossenses

Quando Paulo esteve em Colossos?

Fundada por volta do ano 53, por um nativo que Paulo havia batizado e evangelizado em Éfeso.

Onde foi escrita?

Na prisão de Roma (61 a 63)

Como era a comunidade?

Composta da miscigenação de cultos mistérios com ritos e veneração a divindades gregas. A comunidade durou apenas 7 anos, pois no ano 60, antes da morte de Paulo, foi atingida por um terremoto e desapareceu.

Qual a finalidade da carta?

Carta cristológica. O principal problema da comunidade foi um erro de interpretação causado pelo sincretismo religioso. Procuravam experiências exóticas e fortes e a presença de vários mestres. O autor desenvolve a centralidade de Jesus Cristo, cabeça da Igreja. Ele incorpora pessoas à sua morte e ressurreição.

* * * * * * * * * * *

Efésios

Quando Paulo esteve em Éfeso?

Depois de passar pelas comunidades da Galácia, chegou a Éfeso em 52. Foi preso no verão de 54 e retornou em 55.

Onde a carta foi escrita?

Na prisão de Roma (61 a 63)

Como era a comunidade?

A comunidade situava-se numa cidade portuária, com muitos edifícios, entre os quais se destacava o templo dedicado à deusa Artemis. A comunidade de Éfeso já existia antes da chegada de Paulo. Uma florescente comunidade cristã, de pagãos convertidos.

Qual a finalidade da carta?

Carta eclesiólógica. Deus revela seu plano por Jesus Cristo, desenvolvido na Igreja, que é povo de Deus e esposa do Messias e já não espera a Parusia, mas se empenha no constante crescimento.


* * * * * * * * * * *

Tardias
2 Tessalonissenses
1 Timóteo e 2 Timóteo
Tito


Material obtido no Blog Nos passos de Paulo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário