quarta-feira, 22 de junho de 2011

A história da festa de Corpus Christi

A história da festa de Corpus Christi

  

“Celebrar o Corpo de Cristo é abrir corações e mentes aos corpos profanados pela injustiça e contemplar a criação como expressão do Corpo de Deus. Creio que o universo é o ventre divino no qual estamos sendo gerados, para a vida em que toda a dor estará erradicada pela soberania do amor.”
(Frei Betto)


"Corpus Christi", em latim, significa "corpo de Cristo". Trata-se de uma festa católica móvel que celebra o milagre da transubstanciação. A festa de Corpus Christi é uma das mais antigas do catolicismo em todo o mundo. Foi instituída pelo Papa Urbano IV, em 1264, para ser celebrada na quinta-feira após o domingo da Santíssima Trindade, que ocorre, por sua vez, no domingo seguinte ao de Pentecostes. Tem por objetivo celebrar solenemente o mistério da Eucaristia - o Sacramento do Corpo e do Sangue de Jesus Cristo, em alusão à Quinta-feira Santa, quando se deu a instituição deste sacramento. Durante a Última Ceia de Jesus com seus apóstolos, Ele mandou que celebrassem Sua memória comendo o pão e bebendo o vinho que se transformariam em seu Corpo e Sangue.

A celebração de Corpus Christi consta de uma missa, procissão e adoração ao Santíssimo Sacramento. A procissão lembra a caminhada do Povo de Deus, que é peregrino, em busca da Terra Prometida. No Antigo Testamento esse povo foi alimentado com maná, no deserto. A partir da paixão, morte e ressurreição do Senhor, este Povo é alimentado com o próprio corpo de Cristo.
Corpus Christi é Jesus presente na hóstia consagrada em corpo, sangue, alma e divindade. Ninguém vê Jesus na hóstia, mas acreditamos pela nossa fé.

Conta-se ainda, que sua origem está ligada a um milagre acontecido na Idade Média. O sacerdote Pedro de Praga fazia peregrinação indo a Roma. Nessa viagem, parou para pernoitar na vila Bolsena, não longe de Roma e se hospedou na Igreja de Santa Catarina. Na manhã seguinte, foi celebrar uma missa e pediu ao Senhor que tirasse as dúvidas que ele tinha em acreditar que Jesus estava presente na Eucaristia. Era difícil para ele acreditar que no pão e no vinho, estava o corpo de Cristo. Na hora em que ergueu a hóstia, esta começou a sangrar (sangue vivo). Ele assustado, embrulhou a hóstia e voltou à sacristia e avisou o que estava acontecendo. O sangue escorria, sujando todo o chão no qual apareciam vários pingos. Isso foi informado ao Papa Urbano IV, que estava em Orvieto, que mandou um bispo a essa vila verificar a veracidade de tal fato. O bispo viu que a hóstia sangrava e o chão, o altar e o corporal (toalha branca do altar) estavam todos manchados de sangue. O bispo pegou as provas do milagre e voltou para mostrar ao Papa. O Papa, entretanto, sentia algo estranho e resolveu ir ao encontro do bispo. As carruagens se encontraram na Ponta do Sol e o Papa desceu de sua carruagem e ao ver todas as provas do milagre, ajoelhou-se no chão e se dobrou sobre aquela hóstia sangrando e exclamou: "Corpus Christi (Corpo de Cristo)!"

Em outra versão, conta-se que Festa de Corpus Christi surgiu no séc. XIII, na diocese de Liège, na Bélgica, por iniciativa da freira Juliana de Mont Cornillon, (†1258) que recebia visões nas quais o próprio Jesus lhe pedia uma festa litúrgica anual em honra do sacramento da Eucaristia.

Aconteceu, porém, que quando o padre Pedro de Praga, da Boêmia, celebrou uma Missa na cripta de Santa Cristina, em Bolsena, Itália, aconteceu um milagre eucarístico: da hóstia consagrada começaram a cair gotas de sangue sobre o corporal após a consagração. Alguns dizem que isto ocorreu porque o padre teria duvidado da presença real de Cristo na Eucaristia.

O Papa Urbano IV (1262-1264), que residia em Orvieto, cidade próxima de Bolsena, onde vivia S. Tomás de Aquino, informado do milagre, então, ordenou ao Bispo Giacomo que levasse as relíquias de Bolsena a Orvieto. Isso foi feito em procissão. Quando o Papa encontrou a Procissão na entrada de Orvieto, teria então pronunciado diante da relíquia eucarística as palavras: “Corpus Christi”. Esta teria sido a primeira procissão de Corpus Christi.

Em 11 de agosto de 1264 o Papa emitiu a bula "Transiturus de mundo", onde prescreveu que na quinta-feira após a oitava de Pentecostes, fosse oficialmente celebrada a festa em honra do Corpo do Senhor.

Até hoje, ainda existem essas provas do fato acontecido na Vila Bolsena. Aí começou a ser celebrado o dia de Corpus Christi e todos passaram a acreditar que Jesus está presente na hóstia consagrada. Para acreditar, tudo depende da nossa fé. Isso é um MISTÉRIO DA FÉ!

No Brasil

No Brasil, a festa passou a integrar o calendário religioso de Brasília, em 1961, quando uma pequena procissão saiu da Igreja de madeira de Santo Antônio e seguiu até a Igrejinha de Nossa Senhora de Fátima. A tradição de enfeitar as ruas surgiu em Ouro Preto, cidade histórica do interior de Minas Gerais e acabou se estendendo a todo o País.

Durante a Missa, o celebrante consagra duas hóstias: uma é consumida e a outra, apresentada aos fiéis para adoração. Essa hóstia permanece no meio da comunidade, como sinal da presença de Cristo vivo no coração de sua Igreja.

“Acreditar no Pão Eucarístico é viver a partilha do ideal de Jesus Cristo. É atualizar sua fé no Pão Eucarístico que mata a fome biológica e social e dá sentido à vida: “Quem comer deste pão viverá eternamente.” (Jo 6, 58)

Márcia Resck

E-REFERÊNCIA:

http://www.cancaonova.com/portal/canais/eventos/novoeventos/cobertura.php?tit=A+festa+de+Corpus+Christi&cod=100&sob=430    Acesso em: 15/06/11

Um comentário:

  1. Muito bonito este texto!! A nossa vida de cristãos nos solicita a cada dia renovar a nossa fé, a cada acontecimento, a cada festa, sempre trazendo motivos novos que nos fortalecem. É o que nos mantem vivos!!
    Gde. abr.

    ResponderExcluir