quinta-feira, 12 de maio de 2011

Arquidiocese de Campinas terá Escola de Comunicação Pastoral.

Posted mar 2nd, 2011 By Pe. Rodrigo in FormaçãoPascom Campinas With | No

Na noite da última terça-feira, dia 1º de março, na Cúria Metropolitana, em reunião da Equipe Piloto da Pascom Arquidiocesana foi aprovado o projeto que constituirá a Escola de Comunicação Pastoral da Arquidiocese de Campinas.
A constituição da Escola de Comunicação nasce por inspiração e resposta aos apelos do 7º Plano de Pastoral Orgânica da Arquidiocese que propõe para a Evangelização pela Comunicação os objetivos:
- Promover o uso profissional e consciente dos meios de comunicação;
- Criar uma rede capaz de unificar e dinamizar a transmissão de dados entre as diversas instâncias da Arquidiocese;
- Valorizar a Pastoral da Comunicação (Pascom).
Também, a Escola de Comunicação corresponderá aos chamados da Igreja através dos diversos documentos e pronunciamentos desde o Concílio Vaticano II, Inter Mirifica, as mensagens papais para o Dia das Comunicações Sociais e, mais recentemente o Documento de Estudo da CNBB, 101, A Comunicação na vida e missão da Igreja no Brasil, que ressalta no item 169 “a formação em comunicação deve ser assumida como prioridade urgente nos planos de pastoral da Igreja no Brasil”.
Abaixo apresentamos o projeto de estudo aprovado que agora inicia o processo de elaboração da grade de disciplinas e outras questões de ordem prática. Tão logo o projeto esteja completo apresentaremos a grade, datas e informações para as incrições e critérios de participação.
Felizes por mais este passo dado, contamos com a colaboração de todos os agentes da pastoral diocesana.

1. APRESENTAÇÃO
Nesta época em que a comunicação está no centro das atividades humanas, ninguém pode ficar sozinho ou isolar-se. A comunicação pode ser uma ponte que abre novas possibilidades, também para a comunidade cristã. Uma boa comunicação tornará os evangelizadores mais aptos e capazes no testemunho e no anúncio da Boa Nova de Jesus Cristo.
PASCOM, Segundo o Documento 75/CNBB:  É a pastoral do ser em Comunhão, estar Comunidade
É a pastoral da acolhida e da participação, a pastoral do relacionamento entre as pessoas, do uso de recursos que facilitem a troca de informações e de manifestações das pessoas, no interior da comunidade ou da comunidade para o mundo que a rodeia.
2. HISTÓRICO
A Arquidiocese de Campinas, atenta às necessidades da Igreja e fiel à sua missão tem procurado desenvolver uma adequada Pastoral da Comunicação preparando agentes e captando os recursos necessários. À medida das exigências sente necessidade de uma formação sistemática e competente de seus agentes. Surge a ideia da criação de uma Escola de Comunicadores para preparar seus membros de modo que sejam eles mesmos comunicadores segundo as necessidades e vocação da Igreja e ao mesmo tempo multiplicadores de novos agentes formando e animando a Comunicação em todos os seus níveis.
A partir do ano 2011, Padre Rodrigo, coordenador da Pastoral da Comunicação da Arquidiocese de Campinas fez contatos com diversos assessores para auxiliarem nessa tarefa. Finalmente, no dia 7 de fevereiro, às 19,30 horas em reunião presidida por ele e em contato pessoal com Padre José Alem, missionário Claretiano, nasceu a possibilidade de se criar a escola de formação de comunicadores que atendesse aos apelos da diocese.
Em diálogo com os presentes (…) foi apresentada a ideia de se pensar num projeto com a participação de todos e outros assessores e membros do Setor da Comunicação da Arquidiocese. Foi proposta nova data para a reunião (1º de Março) onde se poderia definir melhor esse projeto e depois encaminhado para a aprovação do Sr. Arcebispo Dom Bruno Gamberini.
3. INSPIRAÇÃO
A Igreja é por si comunicação. Sua história e sua vida revelam a natureza da própria instituição. Ela já nasceu criando relacionamentos e manifestando quem ela é, de modo inquestionável. Ela é uma assembleia, surge de uma convocação. A sua própria noção inclui reunião, formação de comunidade, busca da fraternidade. Ela tem a comunhão como ideal. Desde seu início ela usa símbolos de marca inconfundível e que se perpetuam. Um deles é antológico: a cruz. E mais: ela tem um conjunto de celebrações e ritos que realizam e expressam comunhão. Ela tem um manual perene de revelação e conhecimento da doutrina que é a Bíblia. Pode – se dizer: A Igreja é essencialmente comunicação. Para realizar sua missão a Igreja precisa aprender a aprimorar a arte de se comunicar e gerar comunhão que é o objetivo de sua missão. Essa é a prioridade pela qual se deseja aprofundar a Comunicação como uma dimensão tipicamente humano-divina e que possui sua teologia, sua dinâmica, suas linguagens e meios. Esse projeto de formação pretende ajudar a Igreja a realizar sua missão com mais conhecimento e competência.
A. Marco referencial ou situacional
Nossa sociedade atual tem características pluralistas em todas as suas áreas. A Igreja, inserida nesse mundo enfrenta novas necessidades e desafios. Marcas de nossa sociedade são as diversas e contraditórias imagens de Deus, do ser humano, da vida e dos valores. A Arquidiocese de Campinas também se sente desafiada por essa sociedade consumista, hedonista, materialista, marcada ainda pela busca de esperança, de sentido. E quer favorecer, com sua missão, que as pessoas possam viver uma vida humana com mais sentido mediante uma comunicação mais verdadeira, profunda e fraterna.
B. Marco doutrinal ou teórico
O ser humano que queremos formar, a sociedade que queremos ajudar a construir, a Igreja que queremos construir é aquela expressa na Tradição da fé cristã segundo a doutrina da própria Igreja manifesta, sobretudo no Concílio Vaticano II e nas manifestações e ensinamentos de nossos bispos. O marco fundamental da Escola de Comunicação é ajudar o ser humano a se tornar mais livre para amar e movido pelo amor a se comunicar de maneira responsável e fraterna e construir relacionamentos sólidos e profundos. A referência que temos é o Evangelho de Jesus e toda a Sagrada Escritura lida e meditada como a experiência fundamental de comunicação humano e divina.
C. Marco operacional ou princípios de ação
Para desenvolver esse projeto e atingir os seus objetivos definimos que tipo de prática favorece atingir a visão de Mundo, de Igreja, de Vida, de Ser humano que queremos ajudar a construir. Consideramos os meios, o tipo de relacionamento, as disciplinas, o conteúdo, a metodologia de trabalho, a qualificação e produção, o tipo de agente de comunicação bem como a estrutura e a organização necessárias.
modelo de ação que se pretende desenvolver é antes de tudo de uma convivência sincera, humana e humanizadora com todos os seus membros e participantes.  Toda a ação de planejamento, execução, avaliação e celebração do projeto deverá sempre contribuir para os objetivos propostos.
relacionamento entre responsáveis e participantes deverá ser respeitoso, seguro, transparente motivado para o crescimento recíproco.
A Escola de Comunicação terá como rotina e política a corresponsabilidade no ensino-aprendizagem orientado para a prática pastoral. Para isso serão feitos encontros periódicos com horário, local e responsáveis definidos e com os recursos necessários para o desenvolvimento proposto.
conteúdo apresentado será Antropológico, Educacional, Filosófico-Teológico, Semiótico Cultural, Eclesial-pastoral, Técnico-organizacional. O conteúdo será distribuído em Áreas e cada área em módulos.
Quanto à metodologia de trabalho a formação será feita em espaços adequados através de aulas expositivas, pesquisas, debates, experiências, laboratórios, criações e apresentações, partilha de conhecimentos, contatos com pessoas, instituições e meios. Toda a dinâmica será de conquista do conhecimento através da orientação de um coordenador que numa visão inter e transdisciplinar irá conduzindo os participantes a conquistarem conhecimento e experiência que favoreçam uma sólida educação. Serão utilizados meios e equipamentos além de material necessário para o desenvolvimento do trabalho. Será feita uma avaliação permanente tanto do conteúdo como da prática.
Os participantes deverão ser pessoas que tenham acima de 16 anos, membros de comunidades eclesiais, paróquias, movimentos, pastorais, comunidades, congregações, institutos e afins. Devem ser pessoas dispostas a servirem à Igreja como comunicadores e assumirem o compromisso de frequentarem regularmente a Escola e serem corresponsáveis pela sua formação. Para isso devem se dedicar ao trabalho de estudo com todas as suas exigências, cultivar a mística do comunicador atuando na própria vida o que aprenderem. Cada participante deve ser matriculado, contribuir com taxa de custos, serem disciplinados e favorecerem a convivência amigável.
Quanto à organização e à estrutura a Escola de Comunicadores terá uma estrutura necessária. Sua direção compete à Arquidiocese de Campinas na pessoa do Sr. Arcebispo Dom Bruno Gamberini assessorado pelo Padre Rodrigo Catini Flaibam, Assessor Arquidiocesano de Comunicação. A direção pedagógica, do conteúdo e metodologia de trabalho, será de Padre José Alem, cmf.  A estrutura de organização, diretoria, coordenação, secretaria e tesouraria terá como sede a Cúria Metropolitana da Arquidiocese de Campinas. A Escola de Comunicação será organizada com endereço, calendário de estudos, horário, e tudo o que for necessário para seu funcionamento segundo o que for estabelecido e segundo os objetivos propostos. A Escola de Comunicação oferecerá aos participantes, documento de participação e reconhecimento.
4. PROGRAMAÇÃO
Para que o que está sendo feito se pareça com o que se quer fazer é preciso definir:
1. O que é possível fazer;
2. O que deve ser mudado;
3. O que podemos fazer;
4. O que podemos ajudar a fazer;
A programação será feita para um período de dois anos. O prazo para a implantação do projeto é de 6 meses segundo o calendário seguinte:
Fevereiro de 2011
Consulta, avaliação, anteprojeto
Março de 2011
Definição do projeto e aprovação
Abril de 2011
Divulgação, publicidade
Maio de 2011
Visita às Foranias e Inscrições
Junho de 2011
Visita às Foranias e Inscrições
Agosto de 2011
Início das atividades
·         O que é?
A Escola de Comunicação é uma atividade educativa da Arquidiocese de Campinas com duração de dois anos em 4 módulos, com projeto próprio para a formação de comunicadores e agentes de pastoral.
·         Objetivo Geral
Educar, aprofundar e incentivar o conhecimento e o sentido da arte da comunicação nas suas múltiplas expressões em vista de uma ação pastoral que favoreça a missão da Igreja na Arquidiocese de Campinas.
·         Objetivos Específicos
1.       Proporcionar aos alunos conhecimentos e vivência da comunicação humana e pastoral.
2.       Favorecer o crescimento pessoal dos participantes e o seu serviço pastoral nas comunidades eclesiais.
3.       Oferecer conhecimento teórico e prático das linguagens, dos instrumentos, dos meios e modelos de comunicação.
4.       Estimular a formação de agentes da pastoral da comunicação nas diversas comunidades da diocese.
5.       Oferecer às comunidades condições de aprimorar a formação de seus agentes.
·         Responsáveis
Diretor: Dom Bruno Gamberini, Arcebispo
Assessoria: Padre Rodrigo Catini Flaibam
Direção Pedagógica: Padre José Alem, cmf
Conselho: Assessoria de Comunicação e Equipe Piloto da Pascom
Secretaria: José Alberto Macedo Nogueira
·         Destinatários
Agentes de pastoral – sacerdotes, leigos, religiosos – , comunicadores, líderes comunitários, membros de comunidades dispostos a atuar na pastoral da comunicação. Idade mínima 16 anos.
·         Vagas
Oitenta (80) em duas turmas de quarenta (40)
·         Duração
Quatro (04) semestres / Dois (02) anos
Etapa 1: Agosto a Novembro;
Etapa 2: Março a Junho;
Etapa 3: Agosto a Novembro;
Etapa 4: Março a Junho.
·         Horário
Terças-feiras das 19h30 às 20h30 e das 20h45 às 21h45 (Intervalo de 15 minutos)
·         Local
Colégio de Aplicação Pio XII (o mesmo local das demais escolas pastorais da Arquidiocese)
·         Etapa 1 – Introdução a Comunicação como fenômeno humano
Objetivo: introduzir ao fenômeno da Comunicação humana.
1.1.             O que é Comunicação.
1.2.             Por que nos comunicamos
1.3.             As formas de comunicação
1.4.             Problemas na comunicação
1.5.             A comunicação pessoal
1.6.             Educação e Comunicação
1.7.             Evangelização e Comunicação
Oficinas:
1.       Comunicação interpessoal
2.       Oficina de criatividade
3.       Dinâmicas de animação
4.       Teorias da comunicação
5.       Cultura e meios de comunicação: uma abordagem teórico-prática
·         Etapa 2 – Cultura da Comunicação e seus meios
Objetivo: introduzir à história, teorias e meios de comunicação
2.1.        História da Comunicação
2.2.             Principais Teorias da Comunicação
2.3.             Linguagens e gêneros da Comunicação e da Cultura dos meios
2.4.             Psicologia e Ética da Comunicação
Oficinas:
1.       Cultura da mídia, cultura e sociedade
2.       Filosofia da linguagem
3.       Ética social da comunicação pública
4.       Teorias da comunicação
5.       Assessoria de comunicação
·         Etapa 3 – Comunicação Pastoral
Objetivo: introduzir à consciência e a ação da comunicação na Igreja
1.1.             Igreja e Comunicação. O processo da comunicação e o pensamento da Igreja.
1.2.             Teologia e Espiritualidade da Comunicação
1.3.             Comunicação e Evangelização, Pastoral, Liturgia
1.4.             Pastoral da comunicação: planejamento e execução.
Oficinas:
1.       Ciências da comunicação e estudos eclesiásticos.
2.       Projeto de comunicação pastoral da comunicação na Igreja local.
3.       Reflexão teológica sobre o cinema : O filme religioso.
4.       A opinião pública na Igreja
5.       Evangelização através dos meios de comunicação de massa
6.       A linguagem cristã (Falar em cristão)
7.       A criação do vídeo religioso
8.       Homilética e retórica
9.       Relações públicas na Igreja
10.   Meios de comunicação e planejamento pastoral
11.   A redação da notícia na Igreja
12.   A práxis da informação religiosa: o comentário cristão sobre a atualidade.
13.   O processo da comunicação na pastoral
14.   Os meios: rede de comunicação, comunhão e cooperação
15.    Igreja na mídia: a utilização da rede.
·         Etapa 4 – Linguagens, meios e técnicas de comunicação
4.1. Linguagem verbal: oratória, retórica
4.2. Jornalismo e redação
4.3. Som e rádio
4.4. Imagem, Cinema, Televisão
4.5. Internet, meios e equipamentos de comunicação
Oficinas:
1.       Introdução à leitura do cinema.
2.       Jornal e agência de notícias.
3.       Expressão audiovisual da fé.
4.       Laboratório de programas religiosos em Rádio e em Televisão.
POSSÍVEIS ATIVIDADES EXTRAS
1.       Semana de Comunicação. Evento programado para a semana do dia Mundial da Comunicação. O programa será organizado pela Pascom e os alunos da Escola de Comunicação. Pode constar de palestras, amostras, espetáculos, apresentação criativa do discurso do Papa, trabalhos, dinamizações em comunidades, publicações, atividade educacional, pastoral com os profissionais e público, celebração litúrgica ou paralitúrgica, programas culturais.
2.       Oficinas. Cursos práticos alternativos para os alunos da E.Comunicação e aberto ao público em geral. Os estudantes deverão fazer duas oficinas em cada módulo num total de 8 ao longo do curso e outras de livre interesse.
3.       Noite cultural. Evento livre para expressão dos talentos dos alunos coordenados pelos professores e Pascom. Pode ser uma data fixa relativa a um marco da Arquidiocese e em colaboração com as outras escolas de formação da Arquidiocese com Escola de Teologia, Escola de Catequese.
4.       Estágios. Os alunos poderão fazer como experiência de estágio atividades comunicacionais nas comunidades e setores da Igreja como pesquisa, levantamentos, avaliações, palestras de formação etc

Nenhum comentário:

Postar um comentário