quarta-feira, 25 de maio de 2011

ACORDAR - A COR DAR (POESIA LUSITANA)

Há bem pouco tempo eu li
Um texto bem engraçado
  Muito simples, deduzi
E de realidade bem vincado

     Falava do acordar
E de quem nunca acordou
Por receber sem nunca dar
  Por quem nunca sonhou  

Partilho convosco então
Esta simples brincadeira
Pode parecer diversão
Mas de fato verdadeira 

Já alguma vez reparou
Que ao ler a palavra “acordar”
Se as sílabas separar
A-Cor-Dar , tudo mudou? 

A cor dar é opção
De querer a vida colorir
De pintar o coração
Com novas formas de sentir 

Um sorriso colorido
Pôr-do-Sol à beira mar
Um meigo luar sentido
Porta aberta para sonhar 

Faça chuva, sol ou vento
Frio ou muito calor
A vida é um momento
Com muita, ou pouca cor 

E neste arco-íris viajante
A que damos cor, ou não
Tudo muda num instante
Sem aparente razão  

Escolha agora uma cor
A que alguma coisa lhe diz
Viva a Vida sem rancor
Acorde e seja feliz! 

Vermelho é sangue, é vida
É paixão e sedução
A Vida-ao-rubro é vivida
Com muita, muita emoção 

Beber o verde-esperança
Da Natureza envolvente
É ter sempre na lembrança
Tudo o que de bom se sente 

Quem o azul-mar preferir
Boa escolha sempre faz
Olhar o céu faz sentir
Aquela sensação de paz 

Do amarelo-sol que dizer?
Pura magia pela manhã
É opção a escolher
Para uma Vida mais sã            

O rosa da meninice
Fica sempre na lembrança
Quem dispensa a meiguice
De um sorriso de criança? 

Castanho-terra é genuíno
Transparência, autenticidade
É escolha de quem tem tino
E prefere sempre a verdade

O branco-neve é pureza
De quem escolhe a tranquilidade
Para pincelar a tristeza
De candura e sensibilidade

O Preto-carvão é a cor
Mais triste que eu conheço
Relembra-me a morte e a dor
Não a escolham! Eu vos peço! 

Vou então terminar
E se me permite opinião
Não viva sem A COR DAR
E sonhe com o coração!!!

E Tu que cor escolhes?

(Obs.: A linguagem é portuguesa de Portugal)

Um comentário: