segunda-feira, 30 de maio de 2011

SANTA JOANA D’ARC, A HEROÍNA DA FRANÇA E DO MUNDO – 580 ANOS DE SUA MORTE

Hoje a liturgia católica homenageia a Santa Joana D’Arc, a grande mártir francesa. Nascida em 06 de janeiro de 1.412, foi executada em 30 de maio de 1.431, com apenas 19 anos de idade. Depois de muitos anos na obscuridade, a França redescobriu sua heroína no Século XIX, conhecido como o “século do nacionalismo”.

Foi beatificada em 1.909, pelo Papa São Pio X e canonizada em 16 de maio de 1.920, pelo Papa Bento XV, estabelecendo-se sua festa litúrgica para o dia 30 de maio, suposto dia de sua morte. Em 1.922, foi declarada “Padroeira da França”.

Joana foi condenada a morrer na fogueira como herética. Foi queimada viva em praça pública (Praça do Velho Mercado (Place du Vieux Marché), às 9 horas, em Ruão) e suas cinzas atiradas no Rio Sena, para que não se tornassem objeto de veneração.

A revisão do seu processo começou a partir de 1456, quando foi considerada inocente pelo Papa Calisto III, e o processo que a condenou foi considerado inválido, e em 1909 a Igreja Católica autoriza sua beatificação. Em 1920, Joana d'Arc é então canonizada pelo Papa Bento XV.

Claro e evidente que motivações políticas da época levaram a Igreja a rever o processo que condenou Joana à morte. Mas, o fato importante a ressaltar é que a Igreja teve a humildade de reconhecer seu erro e mais que isso, reconhecer a santidade daquela menina que sacrificou a própria vida pela liberdade de seu País.

Olhando para o passado, podemos dizer que sua morte não foi em vão. Joana vai se transformar no símbolo de libertação da França e do mundo.

Quando o Papa João Paulo II lança ao mundo o pedido público de perdão pelos erros e injustiças cometidos pela Igreja em todos os tempos, creio que podemos ter a certeza de que Joana, lá onde estiver, se rejubilou com isso.

Santa Joana D’Arc, heroína da França e do mundo, neste dia em que a Igreja anuncia do Evangelho a promessa de envio do Paráclito feita por Jesus, lhe pedimos que sua intercessão seja em favor da justiça e da liberdade para os que hoje, de tantas formas e maneiras são aprisionados e condenados pela opressão, pela exclusão, pelo preconceito e pelo egoísmo. Que possa a humanidade se abrir à ação do Paráclito e que o perdão que, com certeza concedestes à Igreja prevaleça no coração dos homens e mulheres de nosso tempo. Amém!


30/05/2011        

5 comentários:

  1. Joana D'Arc é um exemplo de discípula e seguidora de Cristo através da intercessão de Santa Catarina. Ela não teve medo de se doar e de se lançar corajosamente no abismo de sua fé em prol dos homens de seu país, aceitando ser instrumento de paz no mundo, e entregando-se totalmente a Deus.
    Possa ela continuar motivando todos aqueles que ouviram o chamado de Jesus para segui-Lo sem medo, e dispostos a dar testemunho d'Ele.

    ResponderExcluir
  2. Nessa época Joana d’Arc foi discriminada e vista como uma fanática religiosa, uma feiticeira, e ainda uma louca.
    Hoje sabemos que Joana d’Arc foi uma guerreira heroína, libertária feminista à frente de seu tempo, porém limitada pelas restrições da rígida sociedade medieval.

    ResponderExcluir
  3. Olá Rachel e Márcia: Eu ousaria dizer que Joana talvez tenha sim sentido medo, mas creio que seu grande mérito foi o de abafar este medo com a força da Fé. E quantos e quantas hoje são discriminados e tidos como loucos ou loucas por exercitar esta Fé. E com a mesma força, andam pelo mundo enfrentando o poder e a prepotência em defesa dos pobres, dos marginalizados e excluídos, quando não descartados. Joana, assim como muitos de nossos mártires lhes servem de exemplo e estímulo. Possam todos eles continuar nos motivando para acolher e atender o chamado do Cristo Ressuscitado.

    ResponderExcluir
  4. Lembrando que Joana D'Arc foi a última reencarnação de Judas Iscariotes na terra.
    Então malhar Judas é o mesmo que malhar Joana D'Arc... pois o espirito é o mesmo.

    ResponderExcluir
  5. queimar um ser humano vivo que maldade muita descriminação

    ResponderExcluir